04 outubro 2016

[RESENHA] A Torre Acima do Véu (Roberta Spindler)

Quando uma densa e venenosa névoa surge misteriosamente, pânico e morte tomam conta do planeta. Os poucos sobreviventes se refugiam no topo dos megaedifícios e arranha-céus das megalópoles. Acuados, vivem uma nova era de privações e sob o ataque constante de seres assustadores, chamados apenas de sombras. Suas vidas logo passaram a depender da proteção da Torre, aquela que controla os armamentos e a tecnologia que restaram. Cinquenta anos se passam, na megacidade Rio-Aires, Beca vive do resgate de recursos há muito abandonados nos andares inferiores, junto com seu pai e seu irmão. A profissão, perigosa por natureza, torna-se ainda mais letal quando ela participa de uma negociação traiçoeira e se vê cada vez mais envolvida em perigos e segredos que ameaçam muito mais do que sua vida ou a de sua família. (Skoob)
SPINDLER, Roberta. A TORRE ACIMA DO VÉU. São Paulo: Giz Editorial, 2014, 272 p.

A cidade uivava. Gritos de desespero ecoavam pela névoa cinzenta que engolia os prédios, as ruas e os carros... (p. 7)
Inovador. Esta é a palavra-chave. A Torre acima do véu é a primeira Distopia de Roberta Spindler. Li a obra estudando-a porque ela será usada como título-base do meu TCC, este ano. Se não é a primeira Distopia comprovadamente brasileira, é pioneira em matéria de alcance e força no mercado editorial do nosso país, e uma leitura fantástica!

O Planeta Terra foi reorganizado em megalópoles, megacidades e blocos econômicos, com megaedifícios por toda parte, povos que contam com tecnologia avançada e uma nova visão de mundo. Porém, nem todos os artefatos avançados foram capazes de conter uma Névoa venenosa, de origem desconhecida, que se espalhou pelo planeta, dizimando milhões de pessoas, há cinquenta anos, poupando apenas quem vivia no topo dos megaedifícios (M-E). Tecnicamente, poupou apenas quem morava no topo dos M-E: o solo passou a ser habitado por criaturas misteriosas, conhecidas como "Sombras".  

No presente, temos a megacidade de Rio-Aires, que é controlada pela Torre, uma poderosa organização que oferece proteção e comida em troca de obediência aos seus princípios. Nessa cidade, mora a nossa protagonista, Rebecca (Beca), com seu pai, Lion, e seu irmão, Edu. Os três possuem uma empresa de buscas e resgates, e trabalham descendo aos níveis inferiores dos M-Es, para trazer objetos, medicamentos e outros tipos de itens solicitados por seus clientes; mesmo que fiquem à mercê dos Sombras e de animais Alterados - que foram afetados pela névoa, eles sempre finalizam seu trabalho. 

Não apenas os animais, mas muitos seres humanos foram afetados, graças à convivência com a Névoa abaixo. São os chamados Alterados, pessoas que possuem dons e habilidades acima da média: os combatentes, super fortes; os oráculos, que preveem o futuro e veem o presente mais claramente; os teleportadores; os saltadores, como Beca, que possuem agilidade e precisão nos movimentos acima dos demais. Em uma dessas buscas, fica claro para a família Lion que a forma como A Torre age não é exatamente como eles imaginavam. Pouco a pouco, eles descobrem mais segredos sobre a Névoa e o que realmente ocorre lá embaixo. O livro de Roberta foi tudo que eu esperava e mais.

A leitura é fluída, temos bastante conteúdo a absorver, porém uma esquematização simples durante a leitura basta para ficar tudo bem claro. Os personagens são cativantes - em especial o hacker e informante Rato, que me fez apaixonar com suas cantadas simples, despretensiosas, com um fundamento todo especial. Beca é uma protagonista complexa: ao mesmo tempo em que realiza trabalhos totalmente legais, possui alguns traços de anti-heroína: ela bebe, passa algum tempo no bar jogando sinuca, reage violentamente em quase todas as cenas, o que declara muita raiva reprimida. 
- Uma bandida que ataca na surdina não tem o direito de nos acusar de roubo (...) Para nós, vocês são os ladrões. (p. 37)
Ao mesmo tempo, ela é forte, capaz de desafiar uma ordem direta do seu pai e chefe, quando julga que a situação favorece isso. Outros personagens que merecem destaque são aqueles que atuam diretamente com Beca: Lion e Edu, Emir, o filho do criador da Torre; Bug, a teleportadora bem-humorada e toda a sua gangue. Só tenho a agradecer a Roberta por mais uma obra que tem lugar certo na minha estante! Ainda aguardo a sequência de #ContosDeMeigan, e não sossego até ler essa história completa, porque fiquei com água na boca. E agora, também espero uma sequência para A Torre Acima do Véu, porque estou desejando para ontem.
Este é um chamado de guerra. Escutem todos, escutem com atenção. A guerra é inevitável, teremos nossa vingança contra aqueles que nos tiraram os lares, os sonhos e a esperança... (p. 269)
Nota máxima!5/5

Comentários via Facebook

1 Comentários:

  1. Fiquei curiosa para ler o livro!Será mais uma leitura para minhas férias.

    ResponderExcluir

Obrigada pela presença e participação! ATENÇÃO: Todos os comentários são moderados. Aqueles considerados inapropriados à nossa política serão automaticamente excluídos. Comentários anônimos não serão aceitos.