01 fevereiro 2016

[Resenha] Gregor - O guerreiro da Superfície (Suzanne Collins)

Gregor tem apenas 11 anos, mas uma vida que vale por três: seu pai sumiu há mais de 2 anos, sua mãe se divide entre dois empregos para sustentar a família, e o jovem primogênito se divide entre a escola e a casa - onde cuida de suas duas irmãs menores a avó que vive no inexplicável mundo dela. Agora a vida de Gregor valerá por quatro: durante uma das tarefas, na lavanderia de seu prédio, ele e sua irmã Boots acabam caindo pelo duto de ventilação e descobrindo um mundo inimaginável bem debaixo do solo de Nova York. Para ajudar um pouco mais, os habitantes do Subterrâneo insistem que Gregor é o Guerreiro de uma antiga profecia local e que deverá liderar um grupo - não apenas de humanos, mas de animais gigantes (e falantes) em uma jornada pela paz daquelas terras. E ele encontrará surpresas durante todo o caminho... Que surpresas!
COLLINS, Suzanne. GREGOR: O GUERREIRO DA SUPERFÍCIE. São Paulo: Galera Record, 2008,300 p.

GREGOR - O Guerreiro da Superfície, é o primeiro livro de outra série da escritora Suzanne Collins, e foi lançada antes de sua famigerada trilogia, JOGOS VORAZES. O primeiro livro de AS CRÔNICAS DO SUBTERRÂNEO segue um padrão de divisão de capítulos que já identifiquei na autora: três partes (A Queda, A Missão e O Rato) com 27 capítulos, sendo 9 em cada parte.

Gregor tem 11 anos e é uma criança encantadora, apesar da vida tão complicada: mora com a mãe [que batalha em dois empregos], a avó que não se lembra do nome dele, e as duas irmãs: Lizzie (7 anos) e Boots (2 anos) - esta, uma fofa de marca maior: é impossível não se apaixonar pela princesinha da casa. Seu pai os abandonou há 2 anos, 7 meses, 13 dias e ainda contando. Gregor é um menino inteligente, sensato, bom e responsável; tem pontos fortes e fraquezas, mas tem uma mente sagaz e não cede facilmente à pressão. Talvez todo ser humano nasça pronto para as decisões difíceis, só muda o tempo que elas demoram para se apresentarem na vida de cada um. Mas Gregor me impressionou de verdade.

Durante um verão de torrar, Gregor teve de ficar em casa tomando conta de Boots e da avó, enquanto Lizzie foi passar dias em um acampamento. Ele e a irmã menor estavam na lavanderia quando caíram por acidente pelo duto da ventilação que os arrastou para baixo: eles vão parar em um lugar chamado Regália, uma cidade monumental bem debaixo de Nova York, que foi fundada pelo Desbravador Bartholomew de Sandwich. Os habitantes da cidade acreditam que Gregor é um guerreiro cuja chegada foi predita pelo profeta desbravador, e ele liderará uma missão para libertar Regália de uma vez por todas da ameaça dos piores inimigos do mundo subterrâneo: os tirânico Ratos. O protagonista se impressiona, a princípio, com a imensidão daquele mundo desconhecido, e nem imagina o que ainda estava por vir.

Gregor não sabia o que devia esperar. Talvez casas de pedra, talvez cavernas - alguma coisa primitiva. Mas não havia nada de primitivo na cidade magnífica que se estendia diante dele (...) Nova York era famosa pela arquitetura, o elegante arenito castanho, os altíssimos arranha-céus, os grandiosos museus. Mas, comparada a Regália, a cidade parecia não planejada, como um lugar onde alguém tivesse arrumado um monte de caixa de formatos estranhos em fileiras. (p. 51)
No Subterrâneo, o pequeno Gregor mostra o senso de dever, mas fica sabendo da pior forma que há coisas muito maiores em jogo, ameaças contra as quais ele parece não poder lutar. Em sua aventura, ele descobre não apenas muito do presente, mas bastante do passado. Agiu como a criança precoce, que é, mesmo tendo a vulnerabilidade natural daqueles que são apenas meninos diante de grandes desafios.

Na aventura, conhecemos também os regalianos [pessoas de olhos violeta e pele tão clara pela ausência do sol que chega a ser translúcida], entre eles: Vikus, Luxa, Henry, Dulcet, Mareth, Solovet. Outro ponto interessante que ela traz no livro é a presença e atuação dos animais (falantes), como: as baratas Tick e Temp; os morcegos Ares, Aurora e Eurípides; os ratos Ripred e o rei Gorger; as aranhas Gox e Trepplex. Particularmente, as baratas [por sua honra inabalável] e os morcegos [que formam vínculos com os humanos, verdadeiros pactos de amizade]. Os Ratos são os grandes vilões da história, com suas características distintivas usadas em maior escala para gerar horror. Cada um deles poderá fazer você ver esses animais de outra forma: os bons e os maus.

Coragem sem cautela é o caminho de uma morte prematura... (p. 97)
Suzanne mostra uma narrativa diferente daquela adotada em Jogos Vorazes. A história é narrada em 3ª pessoa, de forma rápida, bem ao estilo Collins, e sempre do ponto de vista de Gregor. Não há como fazer comparações entre as duas histórias, porque ambas são ótimas de formas distintas. Obviamente, há pessoas que gostarão mais de Gregor do que outras. Eu curti mais este livro do que o primeiro Jogos Vorazes, apesar de haver elementos em comum, como a ausência paterna, o amadurecimento precoce e um protagonista forte, a dureza da autora em relação à morte; há em Gregor, porém, aspectos como a beleza da infância preservada e as alianças impensáveis/indispensáveis, que me encantaram. Encontrei uma narrativa apaixonante e personagens cativantes. 
Quero ressaltar ainda a interessante linguagem que parece ser fluente no Subterrâneo, especialmente entre as baratas, como um estilo antigo, mas que foi mantido entre algumas de suas populações.

Há algo de Desventuras em Série, Alice no país das maravilhas (de onde veio inspiração à autora), Nárnia e das histórias de Julius Verne que deixa a leitura deliciosa. ainda assim, alguém já percebeu semelhanças com Gregor Samsa ("A Metamorfose", de Franz Kafka), homem que teve um sonho agitado certa noite e acordou na manhã seguinte transformado em inseto; que tem um papel importante na casa, e que conta com o amor da irmã, na fase mais difícil. [Para saber mais, confira uma sinopse do livro. Atenção: Contém spoilers].

Em meio à história de Gregor, Suzanne aborda questões importante, em maior ou menor grau: as diferenças sociais e a rigidez nas hierarquias; a violência doméstica e sua influência em casos de bullying; a música e a poesia. Os capítulos são curtos e você não precisa esperar pelas cenas de ação, porque elas estão por toda parte, desde o início do livro, e são ótimas. Há luta, perseguição, mistério, profecias, todo um novo mundo a se desvendar e perigos a cada esquina. 

Um Guerreiro da Superfície, do Sol ele é filho,Poderá nos trazer de volta a luz (...)Dois de cima, dois de baixo, de sangue real nas veiasDois voadores, dois rastejantes, aceitam dois fiandeiros de teias.Um roedor ao lado e um perdido adiante.E oito sobrarão ao contar os mortos e os restantes. (P.110)
PORÉM... Há dois pontos que preciso ressaltar: 1) 
A minha edição é de 2008, então ainda segue a Norma Ortográfica anterior. Pena; 2) 
Houve ausência de um espaço entre momentos diferentes da narração em vários pontos, como vi acontecer em livros da série Beijada por um Anjo: você está lendo uma cena em um lugar e, de repente, o parágrafo seguinte acontece horas ou dias depois. Então, é preciso ler com atenção redobrada. Mas leiam, porque vocês vão amar.

A lição mais difícil de ser aprendida por um soldado é obedecer às ordens que ele acredita serem erradas... (p. 198)
Em suma, eu me apaixonei por esta história como há muito tempo não acontecia. Sou fã de Percy Jackson, e para mim ele era a melhor figura masculina do universo infanto-juvenil desde Harry Potter, mas a minha opinião abriu mais espaço ao conhecer Gregor. Recomendo para todos os públicos, porque não apenas as crianças vão amar: jovens e adultos também. A série foi publicada no Brasil pela Galera Record, tendo 5 livros já lançados!

Gregor and o código da Garra (Galera Record, 2013) 



Comentários via Facebook

3 Comentários:

  1. A história me lembrou o filme "Arthur e os minimoys".. ehhehee

    A resenha está muito boa.. ;)

    Beijinhos
    Lika
    www.fernandameireles.com

    ResponderExcluir
  2. Esse tipo de história não me atrai muito. Mas não quer dizer que eu não possa ler. Sua resenha me deixou bem interessada na história.

    ResponderExcluir
  3. Li outras resenhas e estão dizendo que o livro é um pouco muito infatil, mas mesmo assim vou ler ele. Quero ter minha opinião própria!

    ResponderExcluir

Obrigada pela presença e participação! ATENÇÃO: Todos os comentários são moderados. Aqueles considerados inapropriados à nossa política serão automaticamente excluídos. Comentários anônimos não serão aceitos.