27 setembro 2016

[COTIDIANAS] O que vai ser quando crescer?: "Pressionado!!"



Você já se viu ou se imaginou pressionado contra a parede porque há tanta pressão ao seu redor que o mundo parece estar comprimindo contra você? Aquela sensação de engasgo, de cerco se fechando, de uma pressão que não parece aliviar em momento algum, e que vai sugando o seu ar até que tudo se torna escuro? 

O problema que Lena enfrenta em Dezesseis Luas se relaciona com o que muitos de nossos jovens encaram, às portas do vestibular. Como você exige que alguém com pouca experiência de vida e sem a orientação vocacional devida, faça uma escolha adequada, antes mesmo de se tornar maior de idade, sobre o que ela vai fazer pelo resto da vida? Creio que os adultos exigem demais da gente... Mas porque eles foram pressionados também. 

P. 316.
Companhia da manhã... Ethan Wate 
#BeautifulCreatures #16Luas

Pais, professores, educadores... Nós, que temos mais experiência de vida e mercado, e que sabemos como é estar na pele de um jovem de 17 anos que tem inúmeras possibilidades à sua frente e compreende mais do sonho do que da efetiva realidade do mercado, devemos nos reunir e orientar melhor as nossas crianças, e muito antes! Arrico dizer que a partir dos 14 anos! Acabou o Ensino Fundamental? Ok. Eles vão começar o Médio e, com ele, virá uma longa jornada. E eles precisarão de nós. Isso vai evitar muitas decepções futuras; vai prevenir que nossos pequenos amados acabem em qualquer emprego, só pelo dinheiro, e vivendo à beira da depressão. Estamos aqui para Orientar. Façamos isto agora. 

Por isso, vemos tantas desistências, na Universidade, e sorte daqueles que criam coragem de fazer novo vestibular, após abandonar o segundo período de curso, para tentar algo novo. "O que você quer ser, quando crescer?" Essa pergunta é tão importante e ligada ao profissional, que muitas crianças, antes de responder "Feliz!" ou "Rico!", vão dizer "Médico", "Advogado", " Astronauta"... Mas o que eles acabam sendo, ao crescer?
Hiper Pressionados.

Jovem, pense bem na carreira que quer seguir. Não espere completar 18 anos e estar às vésperas do ENEM para procurar saber "Certo, o que é que eu fazer da vida agora, pós-escola?", pois sempre dizem que somos jovens demais, aos 18. Mas, se demoramos demais, todas as vagas já estarão preenchidas, enquanto a gente ainda estará escolhendo o que fazer. Comecem aos 14, 15. Pesquisem, sondem, perguntem. Isto não é brincadeira, nem conselho de professora. É uma dica amiga, de quem queria ter recebido o mesmo, aos 14 anos. Não corra o risco de escolher uma carreira pelo dinheiro que vai ganhar, e acabar trabalhando infeliz pelo resto da sua vida. Queira não.

Se gosta de ensinar, faça com amor, e esqueça as reclamações de outras pessoas. Gosta de nadar? Seja o melhor naquilo que ama. Prefere sentar atrás de uma mesa de escritório e gerenciar, organizar, comandar? Torne isso seu estilo de vida, e não apenas meio de sustento. Sabe por quê? Porque, quando as coisas ficarem realmente difíceis, de tempos em tempos, o que vai te sustentar de pé e que vai te fazer seguir em frente é o fato de saber que você ESCOLHEU AQUILO QUE AMA, e que AMA AQUILO QUE FAZ, hoje.

Já desejei ser muitas coisas: médica, bailarina, astronauta, jornalista, RP, assessora de imprensa, escritora. Escrever, é o que mais amo. Mas sou professora de carreira. E estar em sala de aula me fez sentir em casa desde o primeiro dia em que pus os pés em uma sala. Sempre que as coisas estão complicadas, eu me lembro da sensação do meu primeiro dia em sala de aula: eu senti, ali, que aquilo era Certo. Eu me apaixonei. Eu me agarrei àquele sentimento maravilhoso de contar algo a uma criança, a um jovem ou um adulto, e ver aquele brilho inigualável, ofuscante, quando ele percebe que entendeu o que você veio ali ensinar, mesmo que não seja de primeira. Algumas coisas, levam mais tempo para serem compreendidas - não é um problema, não aprender: Não Querer ou Desistir, é que sim.

Em sala, sinto prazer ao ouvir deles o que têm a contar, o que estudaram fora, e que só vem acrescentar à minha prática de ensino - uma troca de saberes, pois ninguém é depósito de conhecimento, todos somos aprendizes. Eles aprendem comigo, e eu aprendo com eles, todo dia. Estas são as minhas razões: são elas que me fazer querer levantar da cama todos os dias, e imaginar o que eu vou fazer por eles, na próxima aula.

Quais são as razões que te motivam?
Comece por aí.
O dinheiro deve ser consequência, e não razão.

Ninguém me aconselhou a ser professora. Simplesmente, aconteceu quando devia acontecer. Já faz 4 anos, e eu não me vejo fazendo outra coisa na vida.

Cuide do seu futuro, e o seu Futuro cuidará bem de você.

Comentários via Facebook

0 Comentários:

Postar um comentário

Obrigada pela presença e participação! ATENÇÃO: Todos os comentários são moderados. Aqueles considerados inapropriados à nossa política serão automaticamente excluídos. Comentários anônimos não serão aceitos.