22 setembro 2016

[Resenha] Sussurro (Becca Fitzpatrick)

UM JURAMENTO SAGRADO
UM ANJO CAÍDO
UM AMOR QUE NÃO DEVERIA EXISTIR. Apaixonar-se nunca foi tão fácil… Nem tão mortalmente perigoso. Para Nora Grey, romance não estava nos planos. Ela nunca se sentiu atraída por nenhum garoto de sua escola, não importa o quanto sua melhor amiga Vee os empurrasse para ela. Pelo menos, não até a chegada de Patch. Com seu sorriso despretensioso e olhos profundos que parecem enxergar dentro dela, Nora é atraída por ele contra seu bom senso [sempre colocado à prova na presença dele]. Mas após uma série de acontecimentos aterrorizantes, Nora não sabe em quem confiar, sobretudo porque Patch parece estar onde quer que ela esteja, e sabe mais que ela do que seus amigos mais íntimos. Ela não consegue decidir entre cair nos braços dele ou correr e esconder-se. E quando tenta encontrar algumas respostas, ela se acha próxima de uma verdade que é bem mais perturbadora do que qualquer coisa que Patch a faça sentir. Nora está bem no meio de uma antiga batalha entre os imortais e aqueles que caíram – e, quando se trata de escolher lados, a escolha errada poderá custar sua vida. SKOOB
FITZPATRICK, Becca. Sussurro. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2010.
Os olhos de Patch eram como órbitas negras. Absorviam tudo e não devolviam nada. Não que eu quisesse saber mais sobre ele. Se não gostei do que vi por fora, duvidava que fosse gostar do que espreitava lá no fundo. O único porém é que isso não era bem a verdade. Eu adorei o que vi. Músculos longos e esguios nos braços, ombros largos, mas relaxados, e um sorriso que era meio debochado, meio sedutor. Estava difícil convencer a mim mesma de que deveria ignorar ago que já começava a parecer irresistível. (P. 19)
Resgatei Comprei o livro na penúltima semana de maio como um dos meus presentes de aniversário. Estava entre os meus desejados, embora não para breve, mas constituiu uma leitura agradável nesta semana. SUSSURRO foi lançado em 2010 no Brasil, e causou certo fervor entre as amantes de um bom romance fantástico, principalmente porque Patch Cipriano [se não se igualou] chegou perto de despertar paixões como Edward Cullen provocou nas moçoilas leitoras e fãs de livros e filmes do gênero. 

Lembro que, quando tive de definir Crepúsculo em uma frase, mencionei que era um romance a que foi acrescentado o elemento do fantástico - os mitos dos vampiros e lobisomens. Sei que é conciso demais para definir um livro, mas já foi. E, se pudesse definir Sussurro em uma sentença, seria algo próximo: Um romance, adicionado da Fantasia, abordando anjos caídos e envolto em uma aura de suspense. Embora anjos não se enquadrem realmente em "fantásticos" [o relato de anjos caídos e apaixonados está mais para a Ficção], vamos deixar a definição como foi popularizada. Há quem compare a história com Crepúsculo, e durante a leitura, você que leu as duas histórias pode ter um leve dejavú, mas há diferenças, em alguns pontos. Não deixei de ser fã da narrativa de Stephenie Meyer, mas curti mais os personagens de Becca Fitzpatrick.

Nora Grey é uma protagonista de peso, com razões para despertar paixão e atrair o mal. Existe um propósito em tudo que a cerca, no amor e no perigo mortal. Ela me lembra mais a força e convicção de Elena Gilbert e Ivy Lions do que, por exemplo, a mania de se diminuir que possuem Bella Swan e Kelsey Hayes. Nora é sexy, determinada e nunca dá muita bola para alguém, a não ser que goste muito dessa pessoa; é focada, responsável e sabe o que quer. Mora apenas com a mãe e a empregada Dorothea, depois que seu pai foi assassinado - perda que ela ainda não aceitou - mas passa a maior parte do tempo sozinha em casa, porque a mãe viaja constantemente a trabalho.

Vee Sky é a melhor amiga de Nora e sua "gêmea ao avesso". Tão loura quanto a outra é morena, Vee tem olhos verdes e parece uma escandinava. Ela é divertida, engraçadinha, mas é muito interesseira quando se trata de "encontrar um bom partido", o que a deixa cega para os riscos, e coloca Nora (e até ela mesma) em situações indesejáveis. Vee é legal, mas é o tipo de amiga que eu teria mais vontade de estapear do que abraçar. Ela me revoltou vezes demais durante a leitura para despertar a minha simpatia [meu anjo não bateu com o dela, haha, pun intended]. Mas Nora gosta da amiga: as duas são inseparáveis até que o técnico decide mudar todos de lugar na sala. E é quando surge ele... O delicioso misterioso novato.

Patch Cipriano é o que muitas de nós chamamos TdBdM: Tudo de Bom e de Melhor. Moreno, de sorriso debochado, olhos negros que parecem ver além da alma, músculos longos e ombros largos. Um sujeito irritante e irresistível, misterioso e atraente, não-aconselhável e desejável. Quando o professor de Biologia resolve trocar todos os alunos de lugar, Patch acaba caindo na mesa de Nora - e ela finalmente conhece o novato do último ano, que já reprovou em Biologia 2 vezes. Ele é atrevido, com provocações ou investidas despudoradas, irônico e bem relax, sempre aproveitando os duplos sentidos nas frases de Nora para provocá-la com suas indiretas - e também com as belas diretas.

Os demais personagens, cada qual com seu papel bem aplicado na história, são Elliot, Jules, Marcie Millar, o Professor de Biologia e a mãe de Nora. Curti quase todos, mas considero Marcie Millar um personagem dispensável na trama - parece que ela foi criada apenas para preencher a vaga da "Bitch" de plantão que toda escola aceita e que toda mocinha tem em sua cola.
Puxou-me para mais perto e não parou até que eu estivesse bem diante dele. Subitamente, ele me levantou e me sentou no balcão... Lançou-me um sorriso convidativo e sombrio. Foi então que percebi que esse momento vinha rondando minhas fantasias mais íntimas havia vários dias. (...) Inspirei fundo duas vezes. Não. Não estava certo. Isso não, não com Patch. Ele era assustador. De uma forma boa. Mas também de uma forma muito ruim. 
- Você precisa ir. Com toda certeza, precisa ir.
- Para cá? - a boca dele estava no meu ombro. - Ou para cá? - Dirigiu-se então para o meu pescoço.
Meu cérebro não conseguia produzir um único pensamento lógico. (P. 88)
Nora conhecia todos os alunos, menos Patch, o que acabou acontecendo pela intervenção do professor de Biologia [que também é técnico, e trata a turma como um time]. Mas logo desejou nunca ter cruzado o caminho do aluno do último ano. Ele mostra saber muito sobre ela, quando a garota nem sabia seu nome até então, e aparece quando ela menos espera, em todos os lugares a que Nora vai. Além de tudo, existe algo nele que é estranho... anormal, não seguro - mas ninguém consegue identificar. Nora, que sempre foi uma boa garota, centrada e de bom senso, sente-se apavorada pela ideia de que Patch pode estar perseguindo-a, mas ao mesmo tempo tudo nele é incrivelmente irresistível. Na presença de Patch, Nora não se reconhece, questiona suas atitudes, e seus instintos reagem antes do cérebro: ela só confia em si mesma longe dele.

Tudo piora quando ela quase é atacada por um homem mascarado, pessoas próximas começam a ser feridas, e seu próprio espaço é invadido. Enquanto lida com o próprio medo e o trauma da morte violenta do pai, Nora se envolve em uma investigação de suicídio que tende para assassinato; ela tem alucinações que a fazem questionar a própria sanidade mental e encara uma revelação impressionante, algo com que nunca sonhara.

A história começa em 1565 e voa para os nossos dias. Há a presença da neblina, marco de boas histórias de suspense. Gostei muito dos múltiplos elementos opositores e da possibilidade de qualquer pessoa ser o verdadeiro vilão ali. Também me cativou a forma como o relacionamento dos protagonistas se desenvolveu, com menos pétalas e mais espinhos e pólen [as relações mais fortes nascem daí]. Eu sou o tipo de leitora que ainda não cansou de histórias de paixões sobrenaturais na fase colegial [o que muitos consideram clichê, batido] logo isso não me incomodou. Tampouco o enredo, onde reina o elemento PROPÓSITO, muito bem colocado e explorado pela autora, que narra em 1ª pessoa, na voz de Nora.

O que não gostei foi da definição de nefilim como "raça bíblica"; "descendente de anjos" soaria melhor para mim. Sobre a capa, nenhum ponto negativo: está linda, retratando Patch caindo do céu, as penas esvoaçantes se espalhando; destaque para a fonte do título e a marca da editora, que só apareceu na lombada. Apoiadíssimo! Como também o fato de a imagem da capa se estender para as orelhas, o que adoro. Dentro, temos uma diagramação simples, fonte pequena e as imagens de penas em algumas páginas.

Como já mencionei antes, o livro não se tornou um dos meus favoritos, os acontecimentos se deram de forma um tanto quanto lenta para o meu gosto, mas gostei bastante da história de forma geral. Pretendo seguir lendo todos os volumes da série. Recentemente, foi divulgada a capa de "FINALE", o último da saga de amor e morte de Nora e Patch.


NOTA: 4/5

Confira as capas de todos os livros da série:

 


















\\o Boas Leituras o//

Comentários via Facebook

4 Comentários:

  1. Como gosto bastante do tema anjos, essa série já está na lista dos desejados. As capas são bem bonitas realmente, e sua resenha está maravilhosa!

    ResponderExcluir
  2. Esse livro não faz muito o meu genero de leitura. Li o primeiro volume de Crepusculo, vi o filme e acabei traumatizada com o genero. Quando Sussuro foi lançado eu fiquei com os dois pés atras e não quis nem saber de dar uma chance pra essa série. Hoje em dia a implicancia com o genero diminuiu um pouco então consegui ler sua resenha e me interessar pela história, o modo como apresentou os personagens, os quotes que colocou, curti bastante. O livro não é prioridade mas finalmente consegui adicionar ele no skoob.

    ResponderExcluir
  3. Ainda não li nada sobre anjos. Ainda estou na fase de vampiros... Mas vou pensar em ler. As capas são bem interessantes.

    ResponderExcluir
  4. Eu AMO esse livro :D Minha série preferida!
    Parabéns (:

    carinhodaspalavras.com.br

    ResponderExcluir

Obrigada pela presença e participação! ATENÇÃO: Todos os comentários são moderados. Aqueles considerados inapropriados à nossa política serão automaticamente excluídos. Comentários anônimos não serão aceitos.