03 fevereiro 2017

[RESENHA] Masterpiece: chegou a vez de Marvin no mundo da arte (Elise Broach)

Marvin é um besouro que mora com sua família debaixo da pia da cozinha no apartamento dos Pompadays. James é um garoto de 11 anos que vive com a mãe, o padrasto e o irmão bebê na cidade de Nova York. Quando James ganha um conjunto de pena e tinteiro de aniversário, Marvin o surpreende criando um elaborado desenho em miniatura, e antes que esses improváveis amigos se deem conta, são envolvidos em um roubo de arte no Metropolitan Museu de Arte de Nova York que poderia levá-los a um famoso desenho de Albrecht Dürer há muito tempo perdido. Mas James não pode efetuar o plano sem a ajuda de Marvin. E é aí que as coisas realmente ficam complicadas. E interessantes! Este livro é um mistério de ritmo rápido sobre arte roubada, falsificação e amizade que deixará os leitores se mexendo em seus assentos ao acompanharem o menino e o besouro! (ADICIONE O LIVRO AO SKOOB)
BROACH, Elise. Masterpiece: chegou a vez de Marvin no mundo da arte. Ribeirão Preto: Novo Conceito, 2009, 298 p.
De repente, Marvin ficou tão triste que mal podia suportar. O aniversário de uma pessoa deveria ser um dia especial, um dia maravilhoso, um dia de pura celebração pela sorte de ter nascido. E o aniversário de James tinha sido horrível. (P. 34)
Eu me apaixonei pelo livro.
Eu vinha de uma sequência de péssimas experiências de leitura, quando finalmente chegou a vez de Marvin no mundo da arte e nas minhas leituras! Marvin é um doce besourinho pintor, com um talento inigualável. James é um menino que está completando 11 anos, no momento em que a história começa. James é muito tímido e não muito sociável, além de não ter herdado o talento de seu pai para a pintura. O menino mora com a mãe, o padrasto e o meio-irmão fofo, William, em NY. Na noite de seu aníver, seu pai trouxe um kit de pintura, mas o menino o deixou de lado porque não sabia pintar. Qual foi a sua surpresa, ao ver  que, no dia seguinte, alguém tinha feito um desenho super elaborado da rua lá fora, uma perfeita cópia.
Os melhores professores são assim. Não lhe ensinam a fazer as coisas exatamente da maneira como fazem; ensinam-lhe como ser o melhor de você mesmo. (p. 71)
Fatos idos e vindos, James acabou descobrindo o autor do desenho e assumindo que ele o fizera, pois quem acreditaria que havia sido um besouro? Os dois são levados pelo pai de James para visitar uma exposição no MET de NY, e acabam envolvendo-se em um esquema de falsificação e roubo de obras de arte. Esta é uma bela história sobre amizade incondicional e surgida nos locais mais improváveis, muito amor e fofura! Recomendo para presentear filhos e sobrinhos :-)

O livro apresenta alguns problemas de revisão em muitos pontos.
Acima de tudo, me chama a atenção a forma como os humanos são, neste livro, avaliados e analisados pelos insetos; eles os criticam, seu modo de vida, a forma como agem e se pronunciam, de forma que criam um quadro humano que nós

NOTA:
5/5

Comentários via Facebook

1 Comentários:

  1. Thay!
    Gosto demais de livros com bichos e animais e se eles de alguma forma tem seus próprios pensamentos ou como aqui, um dom que é pintar, deve ser uma leitura fenomenal.
    Não gostei muito de saber que se envolverão em falsificações, mas quero conferir a leitura que parece bem fofa mesmo.
    Desejo uma semana alegre e feliz!
    “Um saber múltiplo não ensina a sabedoria.” (Heráclito)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de FEVEREIRO, livros + KIT DE MATERIAL ESCOLAR e 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir

Obrigada pela presença e participação! ATENÇÃO: Todos os comentários são moderados. Aqueles considerados inapropriados à nossa política serão automaticamente excluídos. Comentários anônimos não serão aceitos.