05 janeiro 2020

[05/01] TBR Janeiro de 2020

Foto Autoral

O ano de 2019 foi PÉSSIMO para mim em matéria de leituras, porém MARAVILHOSO em questões de trabalho e viagens. Agora, sou Professora Efetiva de Língua Portuguesa e Literatura no Estado da Paraíba e estive profundamente envolvida com a aplicação do meu projeto de Literatura Insólita e Fantástica, "Leitores Insólitos, Redatores Fantásticos", desenvolvido ainda na Graduação em Letras, de 2012-2016 e finalmente colocado em prática. Obtive êxito!! Meus alunos e minhas alunas leram Edgar Allan Poe, Murilo Rubião, W. W. Jacob, Julio Cortázar, Antonio Cândido, Tzvetan Todorov. Debateram temas importantes que chegam nas sutis linhas do Fantástico e evoluíram bastante em sua leitura e escrita. O Projeto recebeu o Prêmio MESTRES DA EDUCAÇÃO 2019, entre os professores e as professoras do Estado da Paraíba e foi uma grande realização para mim, como pessoa e profissional. Ademais, defendi minha dissertação de Mestrado, intitulada A máquina do tempo: ressonância de H. G. Wells na ficção distópica do século XX, que pode ser acessada e lida NESTE LINK.

Na contramão de tantas realizações profissionais, minhas leituras de fruição e meu amado blog acabaram um tanto abandonados nos últimos 2 anos. Não obstante, resolvi dar um restart nas minhas leituras e começar o ano com mais determinação. Esta é a minha lista de livros a ler no mês de Janeiro/2020! E vocês? Que livros pretendem ler neste mês? Cliquem nos nomes dos livros para serem redirecionadxs à página do Skoob de cada um deles.

Livros de Janeiro:

SKOOB: "Esta obra foi publicada em 1847 através do pseudônimo Ellis Bell. Hoje considerado um dos grandes clássicos da literatura universal, caracteriza-se como uma grande história de amor amaldiçoado e de vingança, e visto como a mais intensa história de amor já escrita na língua inglesa, tendo recebido fortes críticas quando de sua publicação no século 19. Um ano antes de seu lançamento, as três irmãs Brontë - Charlotte, Emily e Anne - haviam publicado uma coletânea de poemas sob o nome de "Currer, Ellis e Acton Bell". Nos círculos literários ingleses era crença generalizada que as "Irmãs Brontë" e os "Irmãos Bell" fossem as mesmas pessoas. No entanto, o simples crédito deu margem a controvérsias: qual das irmãs Brontë seria qual dos irmãos "Bell? Correntes de críticos afirmavam que os três pseudônimos pertenciam na realidade à Charlotte Brontë; outros sugeriam que os demais pseudônimos "Bell" não se relacionavam com nenhuma das irmãs, e se referiam a seu Irmão, Branwell. Críticos da época reagiram com indiferença a O Morro dos Ventos Uivantes, comparando-a desfavoravelmente com "Jane Eyre", de Charlotte Brontë, enquanto outros achavam o livro excessivamente mórbido e violento. Finalmente, a reavaliação crítica gradual encabeçada pela própria Charlotte resultou no reconhecimento do gênio de Emily e na aceitação de "O MORRO DOS VENTOS UIVANTES" como uma obra-prima singular, representando um distanciamento radical da tradição vitoriana de romance, uma vez que - é fortemente influenciado pelo estilo de lorde Byron e Percy Shelley, em suas poesias, e pelo ar gótico e rebuscado de Horace Walpole (autor do primeiro romance gótico "O Castelo de Otranto") e por Mary Shelley (autora de "Frankenstein" e "O Último Homem"). O Morro dos Ventos Uivantes possui características ímpares diante de seus contemporâneos: enquanto outros se baseavam em ações complexas, geralmente tortuosas, sua estrutura dramática é resultado do choque de vontades, através de uma rica mistura de romantismo e realismo, transbordando de paixão, turbulência e misticismo. Este livro já foi adaptado mais de vinte vezes para o cinema, rádio e televisão. A versão de William Wyler de 1939, estrelada por Merle Oberon como Cathy e Laurence Olivier como Heathcliff, é considerado um dos grandes clássicos do cinema até os dias de hoje. 
Drama / Romance / Suspense e Mistério / Literatura Estrangeira / Cinema / Crime / Crônicas / Entretenimento / Esoterismo / Ficção / Jovem adulto"


SKOOB: "Um dos maiores clássicos de fantasia nos países de língua inglesa, Em busca de Watership Down é uma fábula sombria sobre coragem e sobrevivência. Quando um coelho vidente prevê a destruição da toca onde vive, ele se une a seus amigos para achar uma nova casa. No caminho rumo à mítica colina de Watership Down, enfrentam rivais e armadilhas. Mas, mesmo depois de chegarem e, teoricamente, encontrarem um lugar seguro para viver, precisarão lutar para salvar a colônia vizinha e repopular a própria comunidade. Em busca de Watership Down fala de dominação e opressão, de fascismo e utopia, de mitologia e delírio coletivo, de sentimento de comunidade e de loucura. No Reino Unido, ocupa o segundo lugar entre os juvenis de fantasia mais vendidos do século XX, atrás apenas da saga Harry Potter. Em 2017, a Netflix anunciou o lançamento de uma série de animação baseada no livro.
Fábula / Fantasia / Ficção / Literatura Estrangeira / Infantil / Infantojuvenil"


Neste livro, há um capítulo que foi inspirado na minha análise da dissertação! 
SKOOB: "TÉCNICO/TEÓRICO Esta coletânea apresenta dez ensaios originais divididos em 2 seções temáticas que exploram o tema do Insólito ficcional na literatura nacional e estrangeira, abordando aspectos essenciais da estética do gênero fantástico. REFLEXÕES SOBRE O INSÓLITO FICCIONAL visa a expor o "insólito" na literatura na acepção de importante categoria estética e crítica para se avaliar o estranho, o fantástico, o horror, o maravilhoso e o sobrenatural sob interessantes e vários enfoques. os tópicos examinados inscrevem-se nos escritos ficcionais de Amândio Sobral, Braulio Tavares, H. G. Wells, Jayme Griz, Juan Rulfo, Lafcadio Hearn, Machado de Assis, Mary Shelley e Moacyr Scliar, autores (as) reconhecidos (as) por seus contos fantásticos, relatos sobre o grotesto, distopia e histórias de horror. 
Aventura / Contos / Distopia / Ficção científica / Horror / Literatura Brasileira / Literatura Estrangeira / Técnico / Teórico / Teoria da Literatura"


4. Anne de Green Gables (para o Clube de Leitura Rota Literária)
SKOOB: "Quando os irmãos Marilla e Matthew Cuthbert, de Green Gables, na Prince Edward Island, no Canadá, decidem adotar um órfão para ajudá-los nos trabalhos da fazenda, não estão preparados para o “erro” que mudará suas vidas: Anne Shirley, uma menina ruiva de 11 anos, acaba sendo enviada, por engano, pelo orfanato. Apesar do acontecimento inesperado, a natureza expansiva, sempre de bem com a vida, a curiosidade, a imaginação peculiar e a tagarelice da menina conquistam rapidamente os relutantes pais adotivos. O espírito combativo e questionador de Anne logo atrai o interesse das pessoas do lugar – e muitos problemas também. No entanto, Anne era uma espécie de Pollyanna, e sua capacidade de ver sempre o lado bonito e positivo de tudo, seu amor pela vida, pela natureza, pelos livros conquista a todos, e ela acaba sendo “adotada” também pela comunidade. Publicada pela primeira vez em 1908, esta história deliciosa, que ilustra valores fundamentais como a ética, a solidariedade, a honestidade e a importância do trabalho e da amizade, teve numerosas edições, já tendo vendido mais de 50 milhões de cópias em todo o mundo. Foi traduzida para mais de 20 idiomas e adaptada para o teatro e o cinema. 
Infantojuvenil / Ficção / Jovem adulto / Literatura Estrangeira"

Comentários via Facebook

0 Comentários:

Postar um comentário

Obrigada pela presença e participação! ATENÇÃO: Todos os comentários são moderados. Aqueles considerados inapropriados à nossa política serão automaticamente excluídos. Comentários anônimos não serão aceitos.